Bem-vindo ao único site em português especializado em manutenção de motores aeronáuticos

eaglesgate.com

Uma janela portuguesa para o mundo!

Na www desde 1 de Dezembro de 1999

Última

actualização

14 Out 2010


Visite a nossa galeria de fotos de motores aeronáuticos.

 

Indústria Aeronáutica Nacional

Um importante acontecimento deverá marcar indelevelmente o panorama da indústria nacional de manutenção aeronáutica com a privatização da OGMA e da TAP - Manutenção & Engenharia. Enquanto a TAP aguarda pela recuperação económica para o fazer, a privatização da OGMA está prestes a acontecer

 

    

 

Topo desta página             HOME             Fim desta página             Indústria Aeronáutica Nacional

 

 

Privatização da OGMA (Actualização em 30-DEZ-2004)

 

O Governo português anunciou no passado dia 23 de Dezembro, através do Ministro de Estado, da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, a venda de 65% da empresa de manutenção e fabricação aeronáutica portuguesa OGMA ao consórcio internacional Airholding formado pela transeuropeia EADS e a brasileira EMBRAER. Este anúncio surge na sequência da decisão de privatização da indústria aeronáutica nacional ainda detida a 100% pelo Estado Português através da holding para as indústrias de defesa EMPORDEF.

Esta decisão teria que ser tomada e anunciada até final do ano 2004 em virtude de compromissos políticos assumidos perante instâncias comunitárias e relacionados com o deficit do orçamento de estado e com o financiamento da própria OGMA.

Apesar de necessária, esta decisão foi vigorosamente contestada pelos partidos da oposição dada a situação demissionária em que o Governo português se encontra presentemente.

A decisão agora tomada deixou para trás o principal concorrente constituído pelo consórcio formado pela italiana Alenia e a norte-americana Lockheed Martin de entre outras propostas concorrentes àquela privatização.

Entretanto decorre a análise das propostas concorrentes ao fornecimento de aeronaves para a Força Aérea Portuguesa para substituição das actuais CASA C-212 Aviocar. As referidas propostas foram entregues no passado dia 16 de Dezembro.

Por várias vezes o Governo português afirmou que a selecção das novas aeronaves estaria associada à proposta vencedora da privatização da OGMA. Enquanto o consórcio italo-norte-americano concorreu com a aeronave C-27J Spartan, o consórcio Airholding concorreu associado à aeronave de origem espanhola C-295 (com a mesma origem das aeronaves C-212 Aviocar a substituir e que são fabricados pelos espanhóis da CASA integrados no consórcio transeuropeu EADS).

À data do anúncio do vencedor da privatização da OGMA ainda não era conhecida a aeronave vencedora do concurso de substituição das aeronaves C-212 Aviocar cujo processo de decisão decorre no âmbito de um concurso internacional.

Realce-se o facto de o fabricante espanhol ter estabelecido há cerca de um ano um acordo com a OGMA para o fabrico de secções da aeronave C-295 em Alverca. Na altura o facto foi entendido como um extraordinário passo para o posicionamento da EADS/CASA relativamente à privatização da OGMA e ao fornecimento das aeronaves C-295 ao Estado Português (os dois factos analisados isoladamente poderiam sugerir a tese de favorecimento).

A análise das propostas concorrentes passa pela avaliação sectorial do cumprimento formal do maior número de requisitos exigidos pelo Estado Português, das características técnicas demonstradas pelas aeronaves, pela sua adequação ao ambiente operacional a que se destinam, ao apoio logístico associado que o respectivo fabricante deverá disponibilizar e ao valor das contrapartidas negociadas (onde não deverá ser despiciendo as propostas de capacitação da OGMA prometidas pelo vencedor da privatização uma vez seleccionado o seu maior accionista e o futuro que este reserva à indústria aeronáutica nacional, tendo ainda presente os acordos anteriormente firmados de que o caso atrás referido é exemplificativo).

Ao anunciar o vencedor da privatização da OGMA, o Ministro da Defesa Paulo Portas realçou o facto de se abrirem fortes perspectivas de negócios para a OGMA e o início de um processo de transferência de tecnologia associada aos novos accionistas, dada a geografia determinar múltiplas vantagens com origem a leste no continente europeu e a oeste no outro lado do Atlântico (no Brasil).

Esta nova realidade sugere finalmente a aproximação portuguesa aos fabricantes aeronáuticos europeus fazendo renascer a possibilidade de Portugal vir a adquirir aeronaves de transporte estratégico A400M fabricadas pela Airbus Military também esta integrada na EADS. Apesar do anterior envolvimento de Portugal ao longo de alguns anos neste projecto que associa sete países europeus (e despoletou o interesse de outros países como a Austrália, África do Sul e Canada) e apesar de serem conhecidas as evidentes vantagens quer empresariais quer de desenvolvimento tecnológico para a OGMA e restante indústria aeronáutica nacional que este envolvimento potenciava, a ideia foi rejeitada no início de 2003 precisamente pela mesma equipa ministerial que agora anunciou a privatização da OGMA. Na altura colocou-se a hipótese alternativa de aquisição pelo Estado Português da aeronave C-130J (que é uma aeronave de aplicação táctica e não estratégica contrariamente ao que foi muitas vezes anunciado) fabricada pela Lockheed Martin através duma operação de marketing intensamente desenvolvida por esta e associada à alienação das actuais aeronaves C-130H Hercules operadas pela Força Aérea, por retoma, ainda com um enorme potencial de operação remanescente.

Apesar da decisão do abandono português do projecto A400M poder ter induzido um atraso de vários anos na adesão da indústria aeronáutica nacional às suas congéneres europeias também não poderá ser ignorado que o avultado investimento então em curso na OGMA, na preparação para aquele projecto, terá sido uma das principais causas que quase levou aquela empresa à falência uma vez que se tornou inconsequente.

A solução então encontrada para a recuperação daquela empresa, por decisão do actual executivo, passou por uma forte injecção de capital pelo Estado Português na OGMA e a assunção da propriedade dos terrenos em que se localiza a OGMA  pelo Estado Português. É esse capital que agora será recuperado com a venda de 65% daquela empresa ao consórcio Airholding e devolvido às fontes financiadoras de então.

A confirmação da aeronave vencedora do concurso de substituição dos actuais C-212 Aviocar deverá ser anunciada em breve. Apesar das regras instituídas para as aquisições de bens e serviços pelo Estado Português (DL 197/99 de 8 de Junho) determinarem para uma aquisição deste tipo um concurso (mercê do montante estimado para esta aquisição) a decisão poderá ser tomada de modo diferente através de um procedimento de ajuste directo (com eliminação sumária de um dos concorrentes) uma vez aprovada tal decisão em sede de Conselho de Ministros.

Dadas as circunstâncias demissionárias do actual executivo e dado o carácter da decisão a tomar, julga-se que a decisão de selecção da nova aeronave só venha a ser anunciada após a tomada de posse de um novo executivo saído das eleições do próximo dia 20 de Fevereiro.

A eventual selecção da aeronave C-27J Spartan para substituição das espanholas CASA C-212 Aviocar após o fabricante da aeronave rival ter adquirido 65% da OGMA afigura-se problemática mas possível, contudo pouco provável.

 

 

Rolls-Royce e ITP poderão estar na mira da privatização da OGMA (Actualização em 05-OUT-2004)

 

Decorridos dez anos após a transformação da OGMA de um Estabelecimento Fabril das Forças Armadas em Sociedade Anónima e a sua separação da Força Aérea Portuguesa, mantendo no entanto uma estrutura de capitais exclusivamente pública, o Governo Português decidiu recentemente alterar aquele formato e abrir o capital da OGMA a outras entidades não necessariamente públicas (Decreto-Lei nº 99/2004 de 3 de Maio).

Este facto representa claramente uma decisão de estabelecer as condições indispensáveis para iniciar o processo de privatização da OGMA através da alienação pelo Estado duma quota entre 30 a 65%.

Contrariamente à tese defendida por alguns sectores especializados da indústria, o processo de privatização não será precedido pela decisão de segmentação da empresa por áreas de negócio. Julga-se que o processo de segmentação venha a ocorrer posteriormente.

As notícias até agora veiculadas pela comunicação social têm dado conta do particular interesse pela OGMA demonstrado por construtores aeronáuticos internacionais entre os quais a brasileira EMBRAER, a franco-alemã EUROCOPTER, a italo-americana ALENIA, a transeuropeia EADS e pela reparadora portuguesa TAP Manutenção e Engenharia.

Se tivermos presente as principais actividades individuais daqueles pretendentes, teremos de atender no contexto daquela privatização às seguintes considerações.

Também o eventual interesse da EADS-CASA na participação do capital da OGMA deverá passar pelo interesse parcial na área de negócios de fabricos, uma vez mais tirando partido do baixo custo da mão-de-obra e das instalações existentes, dando continuidade a relações comerciais intensas em regime de subcontratação de fabrico de componentes há muito existentes. O interesse global nas diversas actividades de manutenção exercidas pela OGMA não deverá ser despiciendo embora a especialidade da EADS-CASA seja a fabricação de componentes estruturais de aeronaves e a manutenção das mesmas.

A necessidade de acesso a novas instalações quando o aeroporto de Lisboa se mudar para a Ota e libertar as actuais infra-estruturas existentes na Portela, apela à utilização de infra-estruturas já existentes e prontas a usar a custos inferiores aos que futura e provavelmente serão praticados na Ota. É neste contexto que o interesse da TAP-M&E pela OGMA adquire grande relevância ao ponto de motivar a sua participação no capital da OGMA e assim assegurar os interesses mais imediatos e futuros da TAP-M&E.

De acordo com o exposto, o interesse da TAP-M&E na OGMA é essencialmente pautado por necessidades logísticas de acesso a instalações e infra-estruturas para apoio às necessidades de manutenção da TAP-M&E.

Perante as considerações apresentadas afiguram-se algumas dificuldades de conciliação de interesses quer de negócios quer de acesso a áreas específicas da OGMA, já que se desconhecem as verdadeiras intenções daquelas entidades relativamente a outras áreas de intervenção da empresa nomeadamente a manutenção de motores.

Assim, numa óptica de actividades nucleares, o eventual interesse de empresas como a EMBRAER, EUROCOPTER, ALENIA e CASA apenas se deverá exercer ao nível das áreas de fabrico e de manutenção de aeronaves, devendo excluir a área de manutenção de motores. Já o eventual interesse da TAP-M&E poderá englobar as áreas de manutenção de aeronaves e motores mas excluindo a área de fabricos. São assim antecipadas algumas dificuldades de conciliação perante uma privatização não antecedida da segmentação da empresa.

Existem interesses específicos na área de manutenção de motores por parte de fabricantes e reparadores europeus de motores que têm sido omitidos pela comunicação social (deliberada ou inocentemente) e que são independentes das entidades atrás mencionadas.

Num passado recente explicitaram interesse específico na área de manutenção de motores da OGMA as seguintes entidades: o fabricante inglês Rolls-Royce; o grupo SNECMA liderado pelo fabricante francês SNECMA e onde se integram o fabricante francês TURBOMECA e o reparador belga TECHSPASE AERO; o reparador canadiano STANDARD AERO e o reparador espanhol ITP - Indústria de Turbopropulsores.

Nenhuma das entidades mencionadas é alinhada com o grupo EADS nem tão pouco interveniente no negócio da produção ou manutenção de aeronaves.

Se a privatização da OGMA antecedida pela segmentação desta em unidades de negócio viáveis e capazes de mobilizar o interesse de investidores se compreende, aceita e nos parece possível, já a situação inversa, i.é., avançar-se para a privatização antes de qualquer intenção de segmentar a empresa (como foi anunciada), parece mais difícil de perceber e levanta algumas dúvidas e outras tantas preocupações.

Todas as considerações tecidas em torno deste assunto até ao momento são incompletas na medida em que ainda não é conhecida a posição e a quota que o Estado português manterá na OGMA após a sua privatização. A sua maior ou menor participação (maioritária ou não) deverá influenciar significativamente o equilíbrio de forças entre as entidades interessadas, por isso ser prematuro estabelecerem-se cenários definitivos.

Especulando academicamente sobre o assunto e integrando as considerações atrás apresentadas, somos conduzidos por entre cenários que vão desde o óbvio ao inconciliável passando pelo compromisso. Nesse espectro de possibilidades para além das competências técnicas e das valências empresariais presentes poderemos ser surpreendidos por motivações meramente políticas ou circunstanciais.

Vejamos algumas das preocupações.

Compreende-se que no plano teórico e para efeitos da alienação do capital, a oferta da OGMA aos futuros investidores antes de se submeter a um processo de segmentação, enquanto entidade abrangente e detentora de múltiplas valências, possa valorizar a transacção e assim poder aumentar as receitas a encaixar pelo Estado. No entanto, o facto de se apresentar como um todo tal como tem sido, poderá inibir as intenções de alguns potenciais interessados podendo vir a diminuir a viabilidade técnica da solução final.

Assim,

Apesar da solução para uma eventual parceria entre a área de manutenção de motores da OGMA e qualquer outra organização identificar como lógica uma associação directa com a Rolls-Royce (derivado da capacidade instalada mas essencialmente da manutenção de motores de fabrico Rolls-Royce como são os modelos AE 2100 e AE 3007), esta hipótese ter-se-á gorado no passado recente em virtude da reavaliação da situação decorrente dos acontecimentos de 11 de Setembro de 2001 e por outras razões circunstanciais que não são do domínio público.

No entanto, em cerca de 90% daqueles motores a manutenção realiza-se ao abrigo de contratos com base num preço fixo por hora-voo, celebrados directamente ente a Rolls-Royce e os diferentes operadores. Este facto implica um mercado fortemente controlado e condicionado pelo fabricante. Para além da OGMA e do próprio fabricante Rolls-Royce através das suas várias oficinas sedeadas nos EUA, Reino Unido, Canada e Brasil, apenas os canadianos da Standard Aero detêm igual capacidade de manutenção dos motores AE 2100 e AE 3007. O controlo da quota de mercado detida pela OGMA na manutenção daqueles motores por parte da Rolls-Royce significaria a bipolarização daquele mercado. Situação semelhante seria o acesso à quota da OGMA pelos canadianos da Standard Aero, com a vantagem destes se instalarem na Europa e acederem ao mercado local.

Em alternativa, perante a possibilidade de a EADS-CASA vir a deter uma grande parte do capital da OGMA (decorrente do processo de privatização desta a iniciar-se dentro em breve), a hipótese de a ITP (também espanhola) vir a deter uma parte do capital da área de motores da OGMA (como amplamente anunciado no sítio do Ministério da Defesa espanhol) parece constituir um cenário verosímil, todavia apenas no contexto de segmentação da empresa.

Dado que a Rolls-Royce detém 47.9% do capital da ITP, ficaria, assim, garantida a ligação da OGMA àquele fabricante ainda que indirectamente, recuperando-se assim parcialmente o objectivo inicial.

Subsiste ainda um quarto cenário (primeiro cenário: TAP-M&E; segundo cenário: Rolls-Royce/ITP; terceiro cenário: Standard Aero) que passa pela disponibilidade do grupo SNECMA através das suas componentes TURBOMECA (cujas relações comerciais de subcontratação com a OGMA remontam ao início da década de 1960, através dos motores instalados nos helicópteros Puma e Alouette) e a TECHSPACE AERO (actual reparador dos motores F100 que equipam as aeronaves F-16) em poder interessar-se por aquela área da empresa, sobretudo pela infra-estrutura existente.

Quaisquer que sejam as entidades verdadeiramente interessadas na área de manutenção de motores da OGMA, o seu interesse recairá sempre sobre dois pólos apelativos que a OGMA tem para oferecer: a infra-estrutura existente e a capacidade de manutenção dos motores Rolls-Royce AE 2100 e AE 3007.

Se atendermos à aspiração e possibilidade de internacionalização da OGMA (ver artigo) e ao franco desenvolvimento da aviação regional, num contexto de retoma global do mercado internacional da manutenção aeronáutica (ver artigo), perante um crescimento médio anual esperado para os próximos 10 anos do segmento de manutenção de motores de 4.7% e uma taxa média anual de expansão da frota de aeronaves regionais (onde se incluem as que são motorizadas pelos motores AE 2100 e AE 3007) de 8.5% (contra 6% para a frota global), teremos que convir que estamos perante um mercado de potencialidades bastante interessantes o que torna aquela área da empresa apelativa a investidores internacionais. O que é de esperar é que esse interesse se manifeste por parte de entidades ligadas ao segmento da manutenção de motores com interesses menores ou inexistentes noutras áreas da manutenção aeronáutica.

Perante os cenários possíveis subsiste actualmente a dúvida de quem será o interlocutor com os eventuais pretendentes à área de motores: o Estado português isoladamente (apenas possível se aquela área tivesse sido segmentada previamente à privatização) ou em conjunto com os restantes accionistas que sobrevirão após a privatização ? A metodologia a adoptar poderá implicar resultados significativamente diferentes quer em termos de receitas para o Estado português quer em termos de capacidade técnica para o país.

Fonte: Pesquisa Eagles Gate News


 Ler o Livro de Visitas    Assinar o Livro de Visitas    Preencher Inquérito

A opinião dos visitantes    Regressar ao topo desta página

Gestor da web page    HOME    E-mail