Bem-vindo ao único site em português especializado em manutenção de motores aeronáuticos

eaglesgate.com

Uma janela portuguesa para o mundo!

Na www desde 1 de Dezembro de 1999

Última

actualização

11 Out 2010


ETAPAS     DA     MANUTENÇÃO

Mapa das Etapas

Prossiga através das várias e complexas etapas da manutenção e aprecie a elevada especialização necessária para manter as aeronaves nas máximas condições de segurança ao custo mínimo

 

PERITAGEM

(A 15ª de 30 importantes etapas)

Após a inspecção é necessário reunir toda a informação disponível a fim de elaborar uma primeira estimativa dos custos de correcção das anomalias detectadas

 

Topo desta página    Fim desta página       HOME     Etapa Anterior     Próxima Etapa

 

Depois de todos os componentes pertencentes a uma dada encomenda terem sido avaliados, foi estabelecida para todos uma condição de uso aeronáutico. Qualquer um dos componentes foi classificado como "utilizável", "reparável" ou "incapaz". Com esta acção termina uma importante subetapa da manutenção denominada Primeira Fase ou, com mais propriedade, a Inspecção.

A partir deste momento constituem-se listagens de componentes na condição de "utilizável" e que ficam disponíveis para ser reinstalados no motor a que pertencem (eventualmente podem ser trocados por outros componentes homólogos e ser instalados noutro motor diferente do de origem); listagens de componentes classificados como "incapaz" e que serão descartados e substituídos por outros componentes homólogos (novos, usados ou reparados, consoante as condições do contrato ou de aceitação por parte do proprietário) e listagens de componentes classificados como "reparável" que terão que ser submetidos a um processo de regeneração para a sua reabilitação.

Existe, ainda, uma listagem de componentes que embora considerados como "utilizável", segundo os critérios definidos nos manuais técnicos dos fabricantes (em linguagem anglo-saxónica denominados TO derivado de "Technical Order", "Overhaul Manual", "Maintenance Manual" ou "Repair Manual"), à luz do estipulado em Boletins de Serviço (mandatórios ou opcionais) implica, contudo, a modificação desses componentes (fazendo-os migrar duma configuração anterior para uma mais recente, e na maioria dos casos associado a mudança do Número de Catálogo original) ou torna-os obsoletos, indo, por esta via, engrossar as listagens de material "reparável" ou "incapaz", respectivamente, apesar de não lhes terem sido detectados quaisquer defeitos.

Também para alguns componentes da listagem de "reparável", para além da reparação dos defeitos detectados têm que ser submetidos a trabalhos de modificação, pelos mesmos motivos que os anteriores.

Assim, para a substituição dos componentes na condição "incapaz" têm que ser adquiridos componentes de substituição ou sobressalentes (normalmente existem em armazém, salvo rotura de existências ou em casos de elevado preço em que não se justifica a sua imobilização). De igual modo têm que ser adquiridos os componentes ou materiais inerentes às modificações já identificadas.

Em complemento, após a análise de todos os acessórios, módulos e subpartes para os quais não exista capacidade de inspecção ou reparação local, por parte do reparador, é formada uma listagem com aqueles que devem ser subcontratados a terceiros.

Com base na informação existente é elaborado um Relatório de Condição (na linguagem anglo-saxónica designado por "Teardown Report") em que é mencionada a condição dos principais componentes e a listagem dos trabalhos complementares previstos. Existem várias opções relativamente à informação que este relatório deve veicular, dependendo dos clientes e reparadores.

Nesta fase, o Gabinete Técnico e a Preparação de Trabalho, perante os defeitos detectados nos componentes preconiza as acções correctivas adequadas que são, posteriormente, transformadas em instruções detalhadas (com a identificação dos recursos a afectar, a mão-de-obra estimada, os materiais a incorporar, as ferramentas a utilizar, os postos de trabalho a incluir, etc.) denominadas Gamas de Reparação ou Operatórias (na linguagem anglo-saxónica designadas por “Work Sheets”) (à semelhança das Cartas de Trabalho produzidas durante a fase de Inspecção).

Dado que a empresa reparadora já acumulou uma experiência suficientemente consolidada, para a maioria dos defeitos, já possui procedimentos correctivos adequados e eficazes para regenerar os componentes relativamente aos defeitos existentes. Todavia, torna-se necessário combinar cada uma dessas "receitas" em função dos diversos defeitos que um só componente poderá apresentar.

Com esta identificação torna-se necessária nova planificação dos trabalhos de reparação e a consequente montagem e ensaio.

Ao ser iniciada a Segunda Fase ou a Reparação, as Gamas de Reparação específicas de cada componente serão movimentadas juntamente com este. Após a realização de cada operação nelas indicada, o(s) mecânico(s) responsável(is) pela sua execução assina(m) em local apropriado (ou apõe(m) uma marca pessoal, tipo carimbo), juntamente com os mecânicos inspectores que intervêm em momentos cruciais deste ciclo e que implicam a dupla verificação a fim de garantir o objectivo da reparação.


 Ler o Livro de Visitas    Assinar o Livro de Visitas    Preencher Inquérito

A opinião dos visitantes    Regressar ao topo desta página

Gestor da web page    HOME    E-mail